MULHERES ADMIRÁVEIS #10: Ruth Bader Ginsburg

24/05/2019


Oi, gente! 

Para quem está acompanhando, todas as sextas-feiras, Lidiane Bach Leandro, do Rascunhando Silêncios, e eu estaremos publicando sobre a vida de MULHERES ADMIRÁVEIS.

Aproveitem para conhecê-las! 😍

Nossa MULHER ADMIRÁVEL desta sexta é a RUTH BADER GINSBURG.




A advogada de 85 anos é considerada, hoje, uma lenda pop, aclamada principalmente pelos que não se identificam com a era Trump.

Foi a segunda mulher a ser indicada para a Suprema Corte dos EUA. Dedicou a sua carreira na justiça, era obstinada por acabar - ou, pelo menos, diminuir - a discriminação contra as mulheres e outras minorias na sociedade americana, além de colocar em prática a 14a emenda à constituição dos EUA que afirma “todos são iguais perante a lei”.



Ruth é chamada de “bruxa do mal” pelos mais conservadores e de “super-heroína” pelos liberais, ou seja, praticamente ninguém no país é indiferente a essa mulher.




De visual inconfundível: cabelo penteado para trás, preso em um pequeno rabo de cavalo na nuca, grandes óculos -  sua imagem tem sido reproduzida em canecas, camisetas, bolsas, tatuagens, quadrinhos e até em fantasias de Halloween!

Conhecemos muitos artistas que também possuem essa repercussão, mas vamos combinar que em nossa sociedade, não é muito comum ver tanta popularidade em uma mulher magistrada...

Ruth tem se tornado essa lenda por defender o avanço da igualdade de gênero e dos direitos das mulheres, onde ela vem ganhando múltiplas vitórias.



Ginsburg, em uma entrevista ao The New York Times em 2009, afirmou em relação ao aborto que "a coisa básica é que o governo não tem nada que intervir fazendo essa escolha para uma mulher”.

Embora tenha consistentemente apoiado o direito ao aborto,  aderiu à opinião do tribunal, derrubando uma lei  que impedia a realização do aborto, em algumas situações.

Ginsburg foi a autora da opinião do tribunal no caso Estados Unidos contra Virgínia, de 1996, que derrubou a política de admissão do Instituto Militar da Virgínia (VMI), que aceitava apenas homens.




Gostou da nossa mulher admirável? Então, caso queira saber um pouco mais sobre ela, indicamos assistir ao documentário A Juíza, que estreou esta semana nos cinemas.


Ana Karina (ou só Karina) é a criadora e autora do blog Da Literatura. É gaúcha de Porto Alegre, geminiana tagarela e mãe da Capitu e do Bilbo. Atua como professora de Literatura e Língua Portuguesa da rede municipal e ama a sua profissão. Viciada em livros, cinema, arte e cultura geek. Adora viajar, conversar e fazer piadas sem graça.

0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário